Saltar para o conteúdo

Postado por Raimundo Carvalho em 29 de Junho de 2015

O presidente da Casa marcou o início da votação da proposta para amanhã

Eduardo Cunha diz que servidores da Câmara são "grupamento do PT"A votação da redução da maioridade penal de 18 para 16 anos é o principal assunto da semana na Câmara dos Deputados. O presidente da Casa, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), marcou o início da votação da proposta de emenda à Constituição (PEC 171) que trata do tema para terça-feira (30). Segundo Cunha, a PEC da maioridade penal é o único item da pauta.

De acordo com o presidente, se não acabar a votação na terça-feira, o tema continua "na quarta, na quinta, até acabar". "Depois da PEC da maioridade penal, tenho de votar a PEC da reforma política em segundo turno”, acrescentou. Desde que foi eleito presidente da Câmara, Eduardo Cunha defende a votação da proposta, em tramitação há mais de 20 anos.

A PEC teve a admissibilidade aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara sob forte pressão de movimento sociais contrários à medida. Na comissão especial encarregada de apreciar o mérito da proposta, os deputados contrários à redução da maioridade penal protestaram durante toda a tramitação da PEC, com o argumento de que não se deve mexer na Constituição para reduzir a maioridade. Esse parlamentares concordaram em alterar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) para modificar as penas para menores infratores.

Os defensores da redução da maioridade, maioria na comissão, pressionaram e conseguiram aprovar o parecer apresentado pelo relator, deputado Laerte Bessa (PR-DF). Na primeira tentativa de votação, com o plenário lotado de jovens contrários à proposta, os seguranças chegaram a usar spray de pimenta para esvaziar o local. A votação e aprovação do parecer do relator ocorreu em reunião fechada.

Como o presidente da Câmara já tinha anunciado que a votação no plenário também seria sem a presença de manifestantes, lideres estudantis recorrem ao Supremo Tribunal Federal (STF) e conseguiram liminar da ministra Cármem Lúcia para que representantes da União Nacional do Estudantes (UNE) e da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) entrassem na Câmara para acompanhar a votação da PEC.

A proposta foi aprovada na comissão por 21 votos a 6, após muitas negociações e alterações no texto do relator. Para conseguir o apoio e os votos para aprovação, Bessa aceitou a redução da maioridade apenas para casos de crimes hediondos (como estupro e latrocínio), lesão corporal grave e roubo qualificado.

Nesta semana, as comissões técnicas e especiais terão suas atividades normais, com apreciação de projetos e realização de audiências públicas. A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras terá audiência pública na terça-feira, quando serão ouvidos Pedro Aramis de Lima Arruda (ex-grente de Segurança Empresarial da Petrobras) Paulo Teixeira Brandão (presidente da Federação Nacional das Associações de Aposentados, Pensionistas e Anistiados do Sistema Petrobras) e Fernando Leite Siqueira (vice-presidente da Associação dos Engenheiros da Petrobras) .

A acareação marcada também para terça-feira entre o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor Paulo Roberto Costa foi adiada para 6 de agosto. O adiamento ocorreu porque o juiz Sérgio Moro, responsável pelo processo, comunicou à CPI a impossibilidade do comparecimento de Youssef para a acareação nos dias 30 de junho, 7 e 14 de julho.

Correio Braziliense

Postado por Raimundo Carvalho em 28 de Junho de 2015

O governo do Estado do Maranhão através do Secretário de Estado da Gestão e Previdência (Segep), Felipe Camarão, convocou mais dois mil militares, entre policiais e bombeiros, para comporem o quadro da Segurança Pública do Maranhão.

Na tarde desta quinta-feira (25), a Fundação Sousândrade divulgou a lista com os aprovados no último concurso que foram convocados. Ao todo foram chamados 418 bombeiros e 1.884 policiais militares.

Para o 5ª BPM de Barra do Corda foram convocados 79, sendo 9 mulheres e 70 homens.

p1

p2

p3

p4

Barradocordanoticias

Postado por Raimundo Carvalho em 28 de Junho de 2015

Abre VEJA - Revelações de PessoaA economia vai mal. Muito mal. Mas a política está muito pior. É discutível se a crise econômica piora a política, mas é certo que a crise política piora a economia. É a fraqueza do governo que dá as cartas. Dilma não sabe o que dizer, o que fazer, o que anunciar. E, um ano e três meses depois de iniciada a operação Lava Jato — depois de muitos desacertos, ainda em curso, protagonizados também pela Procuradoria-Geral da República, sob o comando de Rodrigo Janot, e pelo juiz Sergio Moro —, eis que cai a máscara, eis que a verdade se desnuda: UMA VERDADEIRA MÁFIA TOMOU CONTA DO ESTADO BRASILEIRO. E ELA PRECISA SER TIRADA DE LÁ PELA LEI.

Vá à banca mais próxima e adquira um documento: a edição desta semana da revista VEJA. Em 12 páginas, você lerá, no detalhe, como atuou — atua ainda? — a máfia que tomou conta do Brasil e como se construiu o establishment político que nos governa. O empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC e ex-amigo pessoal de Luiz Inácio Lula da Silva, resolveu contar tudo. Ficou preso mais de cinco meses. Só fez o acordo de delação premiada depois de ter deixado a cadeia. ESTE BLOGUEIRO FALASTRÃO, COMO LULA ME CLASSIFICOU NO CONGRESSO DO PT, SENTE-SE, DE ALGUM MODO, VINGADO. Vingado também contra as hostes da desqualificação e do cretinismo da esquerda e da direita burra e desinformada. NÃO HÁ NEM NUNCA HOUVE CARTEL DE EMPREITEIRAS, COMO SEMPRE SUSTENTEI. O QUE SE CRIOU NO BRASIL FOI UMA ESTRUTURA MAFIOSA DE ACHAQUE.

É claro que as empreiteiras praticaram crimes também. Mas não o de formação de cartel. Insistir na tese do cartel CORRESPONDE A NEGAR A ESSÊNCIA DO MODELO QUE NOS GOVERNA.

Achaque Edinho

O achaque
VEJA teve acesso ao conteúdo da delação premiada de Ricardo Pessoa, homologada pelo ministro Teori Zavascki. É demolidor. Segue, em azul, um trecho do que vai na revista:

Em cinco dias de depoimentos prestados em Brasília, Pessoa descreveu como financiou campanhas à margem da lei e distribuiu propinas. Ele disse que usou dinheiro do petrolão para bancar despesas de dezoito figuras coroadas da República. Foi com a verba desviada da estatal que a UTC doou dinheiro às campanhas de Lula em 2006 e de Dilma em 2014. Foi com ela também que garantiu o repasse de 3,2 milhões de reais a José Dirceu, uma ajudinha providencial para que o mensaleiro pagasse suas despesas pessoais.

A UTC ascendeu ao panteão das grandes empreiteiras nacionais nos governos do PT. Ao Ministério Público, Pessoa fez questão de registrar que essa caminhada foi pavimentada com propinas. O empreiteiro delatou ao STF essas somas que entregou aos donos do poder, segundo ele, mediante achaques e chantagens. Relatou que teve três encontros em 2014 com Edinho Silva, tesoureiro da campanha de Dilma e atual ministro de Comunicação Social.

Nos encontros, disse, ironicamente, ter sido abordado “de maneira bastante elegante”. Contou ele: “O Edinho me disse: ‘Você tem obras na Petrobras e tem aditivos, não pode só contribuir com isso. Tem que contribuir com mais. Eu estou precisando”. A abordagem elegante lhe custou 10 milhões de reais, dados à campanha de Dilma. Um servidor do Palácio chamado Manoel de Araújo Sobrinho acertou os detalhes dos pagamentos (…).

Documentos entregues pelo empresário mostram que foram feitos dois depósitos de 2,5 milhões de reais cada um, em 5 e 30 de agosto de 2014. Depois dos pagamentos, Sobrinho acertou com o empreiteiro o repasse de outros 5 milhões para o caixa eleitoral de Dilma. Pessoa entregou metade do valor pedido e se comprometeu a pagar a parcela restante depois das eleições. Só não cumpriu o prometido porque foi preso antes.
(…)

Retomo
Edinho, claro, nega. Será preciso agora saber quem é o tal Manoel Araújo Sobrinho, que tem de ser convocado pela CPI nas primeiras horas da segunda-feira. Ricardo Pessoa sempre foi considerado o homem-bomba do caso, muito especialmente por Lula e pelo Palácio do Planalto. Ele é apontado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público como o coordenador do “Clube do Bilhão”. O nome é meio boboca, e duvido que tenha existido algo parecido. Mas é inegável que ele exercia uma espécie de liderança política entre os empresários.

Escrevi aqui umas quinhentas vezes que INSISTIR NA TESE DO CARTEL CORRESPONDIA A NEGAR A NATUREZA DO JOGO. Empresas, quando se cartelizam, fazem uma vítima do outro lado. Sim, as vítimas da roubalheira são os brasileiros, é inegável. Mas, do outro lado da negociação com as empreiteiras, estava a Petrobras, a contratadora única, que determinava os preços, e no comando da empresa, a máfia que tomou conta do governo e impunha as suas vontades.

Achque caneco

Máfia cachaceira
Quando falo em máfia, não forço a mão nem recorro a uma figura de linguagem. Havia até senha secreta para entregar dinheiro aos petistas, segundo Ricardo Pessoa. As palavras, nem poderia ser diferente, referem-se, vamos dizer, ao universo alcoólico. Tudo compatível com um Poderoso Chefão chamado “Brahma”. Leiam esta passagem da reportagem, em que o empreiteiro conta como era entregue O DINHEIRO VIVO AO TESOUREIRO DA CAMPANHA DE LULA, EM 2006.

Segundo o empreiteiro Ricardo Pessoa, a UTC contribuiu com 2,4  milhões de reais em dinheiro vivo para a campanha à reeleição de Lula, numa operação combinada diretamente com José de Filippi Júnior, que era o tesoureiro da campanha e hoje trabalha como secretário de Saúde da cidade de São Paulo.

Para viabilizar a entrega do dinheiro e manter a ilegalidade em segredo, o empreiteiro amigo de Lula e o tesoureiro do presidente-candidato montaram uma operação clandestina digna dos enredos rocambolescos de filmes sobre a máfia. Pessoa contou aos procuradores que ele, o executivo da UTC Walmir Pinheiro e um emissário da confiança de ambos levavam pessoalmente os pacotes de dinheiro ao comitê da campanha presidencial de Lula. Para não chamar a atenção de outros petistas que trabalhavam no local, a entrega da encomenda era precedida de uma troca de senhas entre o pagador e o beneficiário.

Ao chegar com a grana, Pessoa dizia “tulipa”. Se ele ouvia como resposta a palavra “caneco”, seguia até a sala de Filippi Júnior. A escolha da senha e da contrassenha foi feita por Pessoa com emissários do tesoureiro da campanha de Lula numa choperia da Zona Sul de São Paulo. Antes de chegar ao comitê eleitoral, a verba desviada da Petrobras percorria um longo caminho. Os valores saíam de uma conta na Suíça do consórcio Quip, formado pelas empresas UTC, Iesa, Camargo Corrêa e Queiroz Galvão, que mantém contratos milionários com a Petrobras para a construção das plataformas P-53, P-55 e P-63.

Em nome do consórcio, a empresa suíça Quadrix enviava o dinheiro ao Brasil. A Quadrix também transferiu milhares de dólares para contas de operadores ligados ao PT. Pessoa entregou aos investigadores as planilhas com todas as movimentações realizadas na Suíça. Os pagamentos via caixa dois são a primeira prova de que o ex-presidente Lula foi beneficiado diretamente pelo petrolão.

Até agora, as autoridades tinham informações sobre as relações lucrativas do petista com grandes empreiteiras investigadas na Operação Lava-Jato, mas nada comparável ao testemunho e aos dados apresentados pelo dono da UTC. Depois de deixar o governo, Lula foi contratado como palestrante por grandes empresas brasileiras. Documentos obtidos pela Polícia Federal mostram que ele recebeu cerca de 3,5 milhões de reais da Camargo Corrêa. Parte desse dinheiro foi contabilizada pela construtora como “doações” e “bônus eleitorais” pagos ao Instituto Lula. Conforme revelado por VEJA, a OAS também fez uma série de favores pessoais ao ex-presidente, incluindo a reforma e a construção de imóveis usados pela família dele. UTC, Camargo Corrêa e OAS estão juntas nessa parceria. De diferente entre elas, só as variações dos apelidos, das senhas e das contrassenhas. “Brahma”, “tulipa” e “caneco”, porém, convergem para um mesmo ponto.

Vaccari pixuleco

Pixuleco
Leiam a reportagem da VEJA. Ao longo de 12 páginas, vocês vão constatar que o país foi literalmente assaltado por ladrões cínicos e debochados. João Vaccari Neto, o ex-tesoureiro do PT que foi objeto de um desagravo feito pela Executiva Nacional do partido na quinta, depois de um encontro de Rui Falcão com Lula, chamava a propina de “pixuleco”. Segue um trecho.

O empreiteiro contou que conheceu Vaccari durante o primeiro governo Lula, mas foi só a partir de 2007 que a relação entre os dois se intensificou. Por orientação do então diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque, um dos presos da Operação Lava-Jato, Pessoa passou a tratar das questões financeiras da quadrilha diretamente com o tesoureiro. A simbiose entre corrupto e corruptor era perfeita, a ponto de o dono da UTC em suas declarações destacar o comportamento diligente do tesoureiro: “Bastava a empresa assinar um novo contrato com a Petrobras que o Vaccari aparecia para lembrar: ‘Como fica o nosso entendimento político?’”. A expressão “entendimento político”, é óbvio, significava pagamento de propina no dialeto da quadrilha. Aliás, propina não.

Vaccari, ao que parece, não gostava dessa palavra. Como eram dezenas de contratos e centenas as liberações de dinheiro, corrupto e corruptor se encontravam regularmente para os tais “entendimentos políticos”. João Vaccari era conhecido pelos comparsas como Moch, uma referência à sua inseparável mochila preta. Ele se tornou um assíduo frequentador da sede da UTC em São Paulo. Segundo os registros da própria empreiteira, para não chamar atenção, o tesoureiro buscava “as comissões” na empresa sempre nos sábados pela manhã.

Ele chegava com seu Santa Fé prata, pegava o elevador direto para a sala de Ricardo Pessoa, no 9º andar do prédio, falava amenidades por alguns minutos e depois partia para o que interessava. Para se proteger de microfones, rabiscava os valores e os porcentuais numa folha de papel e os mostrava ao interlocutor. O tesoureiro não gostava de mencionar a palavra propina, suborno, dinheiro ou algo que o valha. Por pudor, vergonha ou por mero despiste, ele buscava o “pixuleco”. Assim, a reunião terminava com a mochila do tesoureiro cheia de “pixulecos” de 50 e 100 reais. Mas, antes de sair, um último cuidado, segundo narrou Ricardo Pessoa: “Vaccari picotava a anotação e distribuía os pedaços em lixos diferentes”. Foi tudo filmado.

Retomo
Aí está apenas parte dos descalabros narrados por Ricardo Pessoa. E agora? Até havia pouco, parecia que o petrolão era fruto apenas de empresários malvados, reunidos em cartel, que decidiram se associar a três funcionários corruptos da Petrobras — tese de Dilma, por exemplo — e a alguns parlamentares, a maioria de segunda linha, para roubar o país. Faltava o cérebro dessa operação, que sempre esteve no Poder Executivo.

Eis aí. Nunca houve cartel. Eu estava certo! O depoimento de Ricardo Pessoa — que não se deixou constranger pela prisão preventiva e que, tudo indica, confessou o que quis, não o que queriam ele confessasse — REVELA A REAL NATUREZA DO JOGO.

Ainda não terminei. Em outro post, vou chamar Rodrigo Janot e o juiz Sergio Moro para um papinho sobre lógica elementar. Por Reinaldo Azevedo

Achaque 15 milhões

Achaque Gim Argello

achaque Dirceu

achaque TCUAchaque Collor

Achaque Mercadanteblog do jonh cutrim

Postado por Raimundo Carvalho em 28 de Junho de 2015

Deputados Júnior Verde, Wellington do Curso, Zé Inácio e Cabo Campos

O governador Flávio Dino (PCdoB) esperou o momento certo para se vingar dos deputados governistas que foram a favor do apoio da Força Nacional no Maranhão.

Flávio determinou que não fosse paga as emendas de São João dos parlamentares Júnior Verde, Wellington do Curso, Zé Inácio e Cabo Campos, por terem votado no requerimento do deputado Adriano Sarney, que solicitava ao Governo Federal a ajuda das tropas federais ao Estado.

Com o único objetivo de pedir o reforço da Força Nacional para ajudar a combater o altíssimo índice de violência no Maranhão, os quatro governistas acabaram sofrendo represália do Governo Dino.

Em contato com o título do Blog do Luis Pablo, o deputado Wellington do Curso disse que não irá se curva para o governo. Já Júnior Verde lamentou o ocorrido e disse que continuará atuando em prol da população. O blog não conseguiu entrar em contato com os outros parlamentares.

O chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares, não quis comentar o assunto, dizendo que essa questão é coordenada pelo secretário de Articulação Política, Márcio Jerry.

blog do luis pablo

Postado por Raimundo Carvalho em 28 de Junho de 2015

Governador Flávio Dino é apenas uma voz do além com suas promessas de mudança na Educação do MA

O Maranhão é uma vergonha. Hoje ainda existem escolas de taipa, barro e palha em todo Estado. Escolas com piso de barro socado, sem estrutura alguma para receber crianças, jovens e velhos que querem apenas estudar.

O programa “Escola Digna”, lançado desde o dia 21 de maio deste ano pelo governador Flávio Dino, para os municípios com menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) no Maranhão, até agora ainda não se viu um prego, muito menos paredes nessas mais de mil escolas que foram inscritas no programa.

Assim como este programa, outros ainda estão somente no papel. A população fica na eterna espera de um governo que se dizia comprometido com a mudança, com a verdade e com o povo.

Mas, infelizmente, escolas de alvenaria ficam somente no sonho daqueles que sofrem com essa humilhação que é a gestão de Flávio Dino.

blog do luis pablo

Postado por Raimundo Carvalho em 28 de Junho de 2015

Membro da Pastoral Carcerária do Maranhão foi exonerado no final de março, após discordar do escamoteamento de números feito pelo atual governo

flavio-dino-olhar-de-odio-940x540O governador Flávio Dino, do PCdoB, usou da força do cargo conferido pelo voto da população para coagir o padre Roberto Perez Cordova, da Pastoral Carcerária do Maranhão, entidade ligada à Igreja Católica no Brasil, a parar de criticar a permanência do caos e da corrupção no Sistema Penitenciário do Maranhão, especialmente no Complexo Penitenciário de Pedrinhas e seus anexos.
No dia 28 de março, a promessa de Dino foi cumprida, e a terceirizada foi obrigada a exonerar o clérigo do cargo.Funcionário de uma terceirizada desde o governo Roseana Sarney, o padre foi ameaçado de ser colocado no olho da rua caso continuasse a discordar do escamoteamentodos números de mortos e fugitivos das penitenciárias do estado, além de rebeliões, a exemplo de um motim ocorrido no presídio de Davinópolis, abafado pela Secretaria de Estado da Justiça e da Administração Penitenciária (Sejap), comandada pelo mineiro Murilo Andrade.

Tática Chatô

A revelação da tática Chatô acabou sendo feita pelo próprio governador Flávio Dino, em comentários postados em seu perfil pessoal no microblogging Twitter (confira ao lado). Como de praxe, porém, o comunista distorceu os fatos, e acusou o membro da Pastoral Carcerária de receber um “mensalinho” do governo anterior para permanecer em silêncio sobre o sistema.

Uma rápida pesquisa na internet mostra, porém, que a estrategia do governador em usar de ditadura nos bastidores e se fazer de vítima em público é derrubada por atualizações no site da própria Pastoral Carcerária – além do fato que o padre permaneceu como funcionário da terceirizada por três meses do governo Dino.

Embora o padre Roberto Perez Cordova trabalhasse para uma terceirizada do governo peemedebista, durante a crise no sistema penitenciário, quando as rebeliões em Pedrinhas atingiram o seu ápice, várias ações contra o governo Roseana Sarney foram feitas pela Pastoral Carcerária, sendo todas amplamente divulgadas pela entidade.

Um delas diz respeito aos principais problemas no Sistema Penitenciário do Maranhão, que além de provar que o padre não silenciava durante o governo Roseana, ainda mostra que o comunista mentiu no Twitter: o alto índice de assassinato de presos, a superlotação carcerária (há mais de 3 mil presos além da capacidade), as condições insalubres das unidades prisionais, a centralização da custódia de presos na capital e a terceirização da atividade penitenciária foram repudiadas pela Pastoral, que inclusive teve suasalternativas à política de encarceramento defendidas pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

Governador mentiu

Como se percebe, diferente do que Flávio Dino divulgou aos seus seguidores nas redes sociais, de tão ativa,a voz da Pastoral Carcerária chegou a ganhar repercussão nacional durante uma das maiores rebeliões no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, por meio de um dos maiores sites de cobertura política da capital federal, o Congresso em Foco.

Sobre a tática Chatô adotada por Dino, era um método do jornalista Assis Chateaubriand – fundador do Diários Associados, incluindo o jornal maranhense O Imparcial -, que ficou conhecido por se aproximar de autoridades para obter favores. Quando não conseguia, as chantageava para extrair vantagens.

YURI ALMEIDA

Atual7

Postado por Raimundo Carvalho em 26 de Junho de 2015

Na manhã desta sexta-feira (26 ),  por volta das 10:00h, em uma chácara localizada no bairro sitio dos ingleses,  foi realizada uma operação da polícia militar em conjunto com a polícia civil,  onde foram localizados quatro indivíduos.

Anderson dos Santos Teixeira Araújo(19) e Ricardo Teixeira de Sousa(19) foram conduzidos até a DP, pela equipe de inteligência e força tática. Gutierre Passos de Sousa(24) reagiu à abordagem, sacando uma arma, houve troca de tiros e o mesmo foi alvejado pela guarnição, vindo a óbito no local. O quarto indivíduo evadiu-se do local.

Foi apreendido, 01 (um) revólver cal.38, com duas munições intactas e duas deflagradas, 01 (um) revólver cal.38, sendo três intactas e três deflagradas, (01) um revólver cal.32, com três munições intactas, além de vinte pedras de crack.

Gutierre era suspeito de praticar vários assaltos na cidade de Barra do Corda e região, além de ter participado do assalto ao banco de Gonçalves Dias. Retiramos mais uma vez um indivíduo que perturba a ordem pública e esta ação, mostra que agiremos energicamente, se necessário, afim de garantir  a preservação da ordem pública e a segurança da população Cordina, disse o comandante do 5° BPM Tenente Coronel Eriveton.

20150626081146 (1)

FOLHA DA BARRA

Postado por Raimundo Carvalho em 26 de Junho de 2015

Casa5

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), tem se revelado um administrador amigo dos seus amigos. Nos seis primeiros meses de gestão, admitiu para cargos importantes parentes dos seus auxiliares do primeiro escalão, além de permitir dispensa de licitações para empresas de pessoas mais próximas do seu círculo.

Mais recentemente, alugou um imóvel na avenida Litorânea  pelo valor mensal de R$ 20 mil, em contrato que vai durar 24 meses. Ou seja: R$ 480 mil. No local, Dino inaugurou o Corpo de Bombeiros Marítimos.

A deputada Andréa Murad (PMDB) solicitou de imobiliárias o valor de imóveis com as mesmas especificações, na mesma avenida, e obteve como resposta que a quantia maior seria de R$ 7 mil mensais. Uma diferença de R$ 13 mil a mais.

E para a surpresa da parlamentar, a casa de um pavimento pertence ao empresário Alexandre Brandão. Ele é esposo da advogada Mariana Sá Vale, a dona do escritório de advogacia que foi contratado pela Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão do novo governo, com dispensa de licitação, para faturar R$ 414 durante o período de três meses. O escritório dela, diga-se de passagem, foi criado dias depois em que Flávio Dino venceu a eleição de governador.

Além desse, existem outros contratos superfaturados de imóveis, conforme mostra a tabela abaixo, com os nomes dos proprietários amigos do novo governo:

BLOG DO lUIS CARDOSO

Postado por Raimundo Carvalho em 24 de Junho de 2015

Cantor Cristiano AraújoO cantor Cristiano Araújo morreu na manhã desta quarta-feira (24) após sofrer um acidente de carro na BR-153, no km 614, entre Morrinhos e o trevo de Pontalina, em Goiás. A informação foi confirmada pelo Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), para onde ele foi transferido.

Segundo os bombeiros, o cantor voltava de um show em Itumbiara, no sul do estado, quando veículo em que ele estava, um Range Rover, saiu da pista e capotou. O cantor chegou a ser socorrido, mas não resistiu.

Empresário do cantor, Antônio Pereira dos Santos já havia confirmado que a namorada de Cristiano, identificada como Allana Moraes, 19 anos, que estava com ele no veículo, morreu no local.

O acidente aconteceu por volta das 3h30 desta quarta-feira, segundo o Corpo de Bombeiros. Inicialmente o cantor foi levado ao Hospital Municipal de Morrinhos e depois transferido em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Móvel até a capital. Em seguida, seguiu de helicóptero até o Hugo.

Além do cantor e da namorada, outras duas pessoas estavam no carro. Segundo os bombeiros, elas sofreram ferimentos leves e também foram encaminhadas a um hospital na capital.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que as causas do acidente ainda são apuradas. “Fizemos um levantamento no veículo, que é do ano de 2015, e ele estava em perfeitas condições. A suspeita inicial é que o motorista tenha dormido ao volante, mas tudo isso ainda é devidamente apurado”, afirmou o inspetor Newton Moraes.

Segundo o empresário, o cantor costumava viajar com um motorista particular para que “pudesse dormir após o show” e não precisasse dirigir. Ele ressaltou, ainda, que o condutor “é experiente e acostumado a guiar de madrugada”.

Shows

Na última terça-feira (23), o cantor publicou em sua página no Instagram uma mensagem dizendo que estava partindo da Bahia, ao lado na namorada, com destino a Itumbiara. Após o acidente, muitos fãs comentaram na imagem sobre o ocorrido e mandam mensagens de solidariedade ao cantor.

O próximo show de Cristiano Araújo estava marcadado para acontecer na noite desta quarta-feira em Caruaru, em Pernambuco.

Cristiano Araújo postou foto com a namorada antes se seguir para Itumbiara

Capotamento aconteceu na BR-153, entre Goiatuba e Morrinhos, em Goiás

Bombeiros dizem que cantor e outras três pessoas estavam no carro; mulher morreu

Postado por Raimundo Carvalho em 24 de Junho de 2015

Vem causando a maior polêmica uma resolução estimulada pela presidente Dilma Rousseff que garante condições der acesso e permanência de pessoas travestis e transexuais- e todas aqueles que tenham sua identidade de gênero não reconhecida em diferentes espaços sociais, nos sistemas e instituições de ensino

A resolução e clara e taxativa quedo expressa que “deve ser garantido o uso de banheiros, vestuários e mais espaços segregados, quando houver, de acordo com a identidade de gênero de cada sujeito.

A polêmica causada é exatamente nos banheiros. Como não existem fiscalizações nesses espaços, qualquer homem pode se passar por gay ou travesti e entrar nos banheiros onde as mulheres estão se despindo ou vestindo as roupas.

No Liceu, o estudante que já foi registrado como Stheffany Pereira, teve o acesso impedido para entrar no banheiro das mulheres e postou na redes sociais que foi humilhada publicamente.

E você, amigo leitor, é contra ou a favor dessa nova resolução? Faça sua manifestação nos comentários aqui do blog relacionados à esta postagem

leei2

lei